13 de Agosto de 2006

Amanhece mais uma vez sobre a cidade. A cidade é pequena, mas animada. Uma cidade histórica, com um castelo pequeno que parece ter caído aos trambolhões do céu, de tão velho e descuidado que está. Há zonas em que cai aos bocados e as árvores sobressaem-se, dando-lhe o ar degradado das ruínas... o que acaba por lhe dar um certo charme. Aos poucos as pessoas vão-se acordando e encaminham-se como formigas para os seus trabalhos. A luz irrompe os estores do apartamento, iluminando tudo num tom amarelado-caramelo, aquecendo, pouco a pouco, as divisões. O apartamento é grande mas acolhedor... e, todos os sons da rua parecem tão distantes e abafados que parecem vindos de outro mundo.

São 10 da manhã quando Samuel acorda, sozinho como sempre. Espreguiça-se deitado na cama e fica por un momentos a olhar para o tecto, como se esperasse que lhe trouxessem alguma coisa. A porta do seu quarto abre-se. É Rita, a sua colega de apartamento, que entretanto já saiu para ir às compras na praça e correu e já tomou o seu banho.

- Foda-se Samuel! Ainda estás enfiado na merda da cama? Estás à espera de quê para te levantares? Convite do Papa? Levanta-me esse cagueiro daí e deixa-te de paneleirices. Está na hora de começares a viver, seu conas de merda! Foda-se, já irrita saber que ficas aí a lamentar o caralho da tua sorte, vamos mas é tomar o pequeno-almoço. Vá, mexe-te! - o que, traduzido de linguagem de Ritense significa: "Vá, levanta-te. Vamos tomar o pequeno-almoço e conversar um pouco!"

Samuel olha para ela a virar-se para sair. Levanta o corpo e fica apoiado nos braços enquanto ela vira-se e diz num tom mais maternal:

- Vá! Vai mas é tomar banho que tu pareces uma múmia de merda! Eu estou na cozinha a arrumar a merda das compras! - e fecha a porta.

Samuel nunca imaginou que pudesse existir alguém que dissesse tantas asneiras - até cansa ouvi-las. Mas, depois de dois anos a conviver com esta mulher, até o Papa se habituava. Enfim... Levanta-se da cama e coça a cabeça, despenteada, enquanto se dirige para a casa de banho.

"Viver! Talvez ela tenha razão... De nada serve lamentar!" - pensa enquanto fecha a porta da casa de banho e abre a torneira para o banho.
publicado por Arms às 11:22
Sim... Nao vale mesmo a pena lamentar... nao resolve nada ;)



Hugz ^^
Nobody's Bitcho a 14 de Agosto de 2006 às 12:20
mais sobre mim
Prémios
Image Hosted by ImageShack.us
By Eu... Gay... e o meu Mundo
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Felizes Juntos (2009).
quote: o traço bonito e elegante reflectido no ímpeto neutralizado dos dias
By Felizes Juntos (2008)
quote: bom gosto e traço bonito e elegante.


últ. comentários
Olha eu estou exatamente igual.. Não me conseguiri...
Olá Arms!Há quanto tempo! Não tenho acompanhado es...
aqui ha dias vi te a subir a rua do sol ao rato.j...
Bem fixe isto. Nos extremos há coisas que nem sabe...
se estiver interessado/a num novo template para o ...
Sim, concordo.Mas acima de tudo, mais intervenção ...
Silêncio a mais... nessas viagens todas não há int...
Bom regresso à blogosfera
Concordo com o que dizes, tambem sou solteiro e as...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
blogs SAPO
Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
pesquisar neste blog