06 de Março de 2007


Descobri esta maravilha num site de um artista. Fiquei maravilhado! Espreitem:

http://www.fischart.com/
publicado por Arms às 00:27

Por Pedro J. Bondaczuk
"A solidão é e sempre foi a experiência central e inevitável de cada ser humano". Essa afirmação não é da minha autoria (não costumo ser dogmático), mas do escritor Thomas Wolfe. "Bobagem", dirão os eternos críticos, que vêem defeitos em tudo e imperfeições em todos. São aqueles indivíduos chatos, que fazem questão de ser "do contra", desagradáveis e antipáticos, e que emitem juízo a torto e a direito, sobre tudo e sobre todos, sem que seja solicitada a sua dispensável opinião e dos quais buscamos fugir.

Só para contrariar, tais pessoas juram que nunca se sentiram sozinhas. Claro que mentem! E desavergonhadamente! Garantem que contam até com excesso de companhia para o seu gosto. Arrolam, como suposta prova de superpopulação em suas vidas, uma multidão de parentes e amigos, que não os deixariam nunca ficar sós. Grandes tolos, que vêem, mas não enxergam!

A solidão a que Wolfe se refere não é a da ausência dos outros ao nosso redor. É mais profunda, e, portanto, mais trágica, posto que difícil (senão impossível) de suprir ou mesmo de remediar. É a caracterizada pela carência de comunicação. Não aquela superficial, dos gestos ensaiados e das palavras ditadas pelas convenções, mas a real, a verdadeira, a genuína: a dos nossos mais recônditos sentimentos e inconfessáveis inquietações. Para que esta se concretize, faltam palavras e símbolos.

Esses tormentos, os da incomunicabilidade e da incompreensão, temos que suportar sozinhos, sem podermos compartilhar, sequer (e muitas vezes principalmente), com aqueles a quem mais amamos e em quem depositamos irrestrita confiança. O principal motivo é que nossas emoções são tão complexas e individuais, que não conseguimos nem mesmo verbalizar o seu conteúdo. Temos só uma vaga e truncada intuição acerca da sua natureza e extensão. Como queremos que os outros compreendam um sentimento que temos, de fato, mas que não entendemos o que é e nem sabemos definir como se manifesta?

Aliás, a rigor, sequer conhecemos, com razoável aproximação, "o que" sentimos ou "o que " nos inquieta. É uma sensação vaga, imprecisa, intermitente e por isso irremediável. Nossa busca pela razão está apenas no princípio, embora, de maneira arrogante, achemos que somos sumidades de racionalidade. Nossa distância mental com os animais irracionais, no entanto, é ínfima, é muito reduzida.

A pior das solidões é a que sentimos quando acompanhados, no meio de uma multidão. Não se trata de uma questão quantitativa, mas de compreendermos os outros e nos fazermos compreendidos por eles. Maridos e mulheres, pais e filhos, irmãos, parentes de quaisquer graus ou amigos, por mais íntimos que sejam, por maior afinidade que tenham conosco ou por mais que necessitemos de suas presenças, jamais nos completam. A maioria dos sentimentos, das emoções, dos medos e das inquietações temos que suportar de forma absolutamente solitária.

Quanto mais racionais nos tornamos, mais temos que aprender, e nos acostumar, a conviver com a solidão. Nossa evolução não é acompanhada, necessariamente, pela dos que nos rodeiam. Estes, muitas vezes, até regridem, o que é mais comum do que se pensa. Entregam-se a superstições, escondem-se no álcool, nas drogas, ou em diversões baratas e banais, que não passam de perda de tempo, evitando o incômodo encontro consigo próprias, numa tentativa desesperada (e inútil) de preencher esse vazio na alma que sentem, mas não sabem definir. Não suportam encarar suas fraquezas, patifarias e defeitos.

No silêncio do meu quarto, às voltas com minhas indefiníveis inquietações, pensando nas pessoas que sofrem de males mais palpáveis e concretos do que os da solidão, como fome, frio, dores provocados por doenças incuráveis e pelos maus tratos recebidos da vida, carentes de absolutamente tudo e muitas vezes ansiando, desesperadas, por alguém que somente as ouça, as valorize e as trate uma única vez com dignidade e respeito, faço, ansioso por uma resposta que sei de antemão que não terei, a mesma pergunta que o compositor Paul McCartney fez, na inspirada letra da canção "Eleanor Rigby", sucesso dos Beatles: "Haverá um lugar especial para os solitários?" Ou, para ser mais preciso em relação aos meus anseios, indago: "Haverá um lugar especial onde possamos estabelecer comunicação total com os semelhantes, sem precisar de palavras?" Fica a pergunta no ar...Mas acredito que não!

in http://www.planetanews.com/news/2005/10326
publicado por Arms às 00:00
mais sobre mim
Prémios
Image Hosted by ImageShack.us
By Eu... Gay... e o meu Mundo
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Felizes Juntos (2009).
quote: o traço bonito e elegante reflectido no ímpeto neutralizado dos dias
By Felizes Juntos (2008)
quote: bom gosto e traço bonito e elegante.


últ. comentários
Que texto! Que texto! Sou solteiro por opção e que...
Olha eu estou exatamente igual.. Não me conseguiri...
Olá Arms!Há quanto tempo! Não tenho acompanhado es...
aqui ha dias vi te a subir a rua do sol ao rato.j...
Bem fixe isto. Nos extremos há coisas que nem sabe...
se estiver interessado/a num novo template para o ...
Sim, concordo.Mas acima de tudo, mais intervenção ...
Silêncio a mais... nessas viagens todas não há int...
Bom regresso à blogosfera
Concordo com o que dizes, tambem sou solteiro e as...
subscrever feeds
blogs SAPO
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
25
26
28
31
pesquisar neste blog