04 de Novembro de 2007

(Vão reparar que este texto tem como etiqueta 'coleccionador de objectos'. Este é um excerto do tal livro que supostamente ando a escrever de forma não oficial. Decidi colocar aqui umas passagens enquanto vou escrevendo. Gostava de algum feedback!)

Estás aí, sobre esse pedestal que construí. Estás aí, olhando para mim, com essa face sem olhos nem boca. Sem expressão. Mas, de alguma forma estranha, vês através de mim e alcanças o mais íntimo da minha alma. Tocas e remexes e reviras tudo. Desarrumas as minhas memórias como se de roupa e objectos se tratassem. E deixas tudo no chão, espalhado sobre a madeira corroída do meu passado. O que procuras? Algum segredo meu há muito esquecido?
Pára de olhar para mim com esse anonimato tipicamente teu. Pára de remexer nas minhas memórias. Porque me levas à insanidade? Porque ficas aí, imóvel, a olhar-me e a julgar-me? Sim, amei e morri por causa disso. Sim, entrei no paraíso apenas para me banhar no inferno. Tento ultrapassar isso. Cortar com o passado.
Porque continuas a olhar-me assim, dessa forma inexpressiva? Estás sempre a olhar para mim, sempre a julgar-me. Mesmo quando não olho para ti, sinto o teu olhar a soprar-me na nuca. Arrepios. Tu és um simples boneco de madeira articulado. Mas porque me julgas assim? Porque remexes nas minhas memórias? O que procuras? Que queres?
Detesto isto. Detesto tudo. Detesto-te. Se, ao menos tudo acabasse agora... Porque já ninguém me ama. Porque já não vale a pena. Porque a faca que descansa sobre a minha cama talvez consiga oferecer mais do que ele alguma vez deu. Talvez a morte consiga triunfar sobre o silêncio que se gerou entre nós. Tudo o que queria era que acariciasses estes sentimentos longe de mim. Mas, que merda! Porque me olhas assim? Diz-me! Achas-te assim tão superior que me possas julgar de forma tão arrogante? Quem és tu afinal? Porque consegues me olhar até à alma? Eu estou oco.

E continuas a olhar-me assim. A olhar para mim. Mas, afinal, o que procuras dentro de mim?
publicado por Arms às 00:35
tags:
Cá vai o feedback:

Gosto muito. Muito mesmo. É o tipo de escrita que aprecio. Forte, escorreita q.b, angustiante, dorida e, ao mesmo tempo, digna de uma grande beleza.

Mais uma vez parece que, de certo modo, me revejo nas tuas palavras...

Só mais uma coisinha, uma vez que pedes opinião: Quando escreves "Porque consegues me olhar até à alma?", talvez ficasse melhor "Porque consegues olhar-me até à alma?"...digo eu.

Continua, continua, continua.
Graduated Fool a 4 de Novembro de 2007 às 05:33
Lindooo! Quando editares o livro quero um exemplar, ok?
TheTalesMaker a 4 de Novembro de 2007 às 22:05
mais sobre mim
Prémios
Image Hosted by ImageShack.us
By Eu... Gay... e o meu Mundo
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Felizes Juntos (2009).
quote: o traço bonito e elegante reflectido no ímpeto neutralizado dos dias
By Felizes Juntos (2008)
quote: bom gosto e traço bonito e elegante.


últ. comentários
Olha eu estou exatamente igual.. Não me conseguiri...
Olá Arms!Há quanto tempo! Não tenho acompanhado es...
aqui ha dias vi te a subir a rua do sol ao rato.j...
Bem fixe isto. Nos extremos há coisas que nem sabe...
se estiver interessado/a num novo template para o ...
Sim, concordo.Mas acima de tudo, mais intervenção ...
Silêncio a mais... nessas viagens todas não há int...
Bom regresso à blogosfera
Concordo com o que dizes, tambem sou solteiro e as...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
blogs SAPO
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
14
16
26
pesquisar neste blog