09 de Outubro de 2009

Pergunto-me... Se eu estivesse a andar na rua e tu simplesmente, por acaso, passasses por mim, o quanto de mim verias? Quantas coisas de mim adivinharias? Farias histórias elaboradas na tua mente sobre para onde eu iria ou onde já estive? Especularias sobre se eu teria uma família com quem ter em casa? Uma carreira para seguir? Ou uma especialização por terminar? Ou eu seria meramente mais um daqueles incontáveis rostos que passam por ti e de quem não te recordas? 


Eu penso sobre estas coisas ao ponto de criar as minhas próprias histórias. Os meus olhos a percorrer as multidões, seleccionando pessoas e criando-lhes histórias e motivações. Dando-lhes personalidades e interacções. É a natureza humana, penso... fazer julgamentos com base daquilo que vemos. Não necessariamente julgamentos negativos, mas como um exercício mental. Bom, pelo menos no meu caso. Por isso, se imagino estas coisas acerca dos outros, que imaginarão eles de mim? Talvez algo mais interessante que a realidade. Talvez não.


Talvez imaginas-me como um rapaz banal, no início dos seus vinte. Ainda inexperiente na vida, terminando um curso ou tirando já uma especialização. Talvez imaginas-me morando com os meus pais ainda, saudável e confiante. Por aquilo que sinto hoje. Provavelmente imaginas que tenho como passatempo a escrita, já que me vês a escrever, com um desejo secreto de me tornar num escritor. Ou poeta. Claro que, se imaginas isso, imaginas que sou sensível, expressivo, que articulo bem as palavras e que tenho opiniões e pontos de vista bem vincados. Talvez imaginas-me um solitário. Ou talvez imaginas-me com uma namorada. Ou talvez não. 


Sou um rapaz de uma altura média, a um passo dos trinta, com feições que facilmente se perderiam na multidão. As minhas roupas são, grande parte das vezes, incrivelmente banais - as típicas T-Shirts e calças de ganga que se encontram em quaisquer lojas do país. Nada na minha cara salta à vista. Tenho olhos castanhos e cabelos castanhos, com o corte mais banal que existe. As minhas feições são mais vincadas aqui e mais suaves ali e nada se sobrepõe a nada. Sou magro o que provavelmente será o traço mais imediato do meu corpo. Não tenho muitos traços vincadamente masculinos, tenho curvas mas não são femininos. Nota-se bem que sou um rapaz. Para mim eu estou bem.


Talvez imaginas-me como um rapaz solitário, tímido, calado e reservado, pela forma como geralmente me encolho e ignoro o mundo à minha volta. Ou talvez imaginas-me como uma pessoa concentrada, versátil, ponderado e dedicado pela mesma razão. Talvez imaginas-me como um rapaz arrogante, egocêntrico e narcisista porque continuo a ignorar todos à minha volta e, quando olhei para ti, não respondi ao teu sorriso tímido.


Sou simpático, atencioso e carinhoso. Gosto de pensar que sou. Também sou distraído e despistado. Tenho um baixo nível de interesse mas um alto nível de concentração. Falo muito com as mãos e, à primeira vista, sou visto como sendo "uma eterna criança". Tenho uma curiosidade muitas vezes saudável e pontos de vista bastante incomuns. Mas sou rabugento e não tenho muita paciência (apesar de demonstrar muitas vezes precisamente o contrário). Falo sem preconceitos de todos os temas, incluindo os temas que me são mais pessoais. Não tenho tendência para me chatear muito. Sei ouvir e sei dar conforto. Mas, quando as coisas não me interessam muito, faço ouvidos moucos e não dou importância ao que me contam. Não tenho paciência para sentimentos de posse em relação a outras pessoas (excepto às que me são muito próximas) e não tenho tendência para ciúmes. Mas tenho os meus dias. Tenho vertigens e sofro de claustrofobia a partir de um certo nível. Tenho pavores à morte e não gosto de lamechices. Não sou bom a confortar pessoas que estão constantemente a lamentar a sua vida, apesar de eu lamentar imenso a minha. Coisa que até acho bastante irónico em mim.


Por alguma razão, eu seria colocado imediatamente no grupo dos rapazes certinhos aos olhos do mundo, isto apesar de eu acreditar que se deve tratar as pessoas como elas nos tratam e, se alguém me pisa, eu piso de volta. Sem sentimentalismos ou arrependimentos. 


Talvez imaginas que a minha vida tem sido fácil e que os meus pais são dedicados e atenciosos. Que me ajudam no curso que imaginas que estou a tirar e que nunca tive grandes sustos na vida. Provavelmente até achas que sou um betinho qualquer pela forma como estou vestido e penteado e que devo ter um carro e tudo e mais alguma coisa.


O que tenho - que não é muito, confesso - foi fruto de muita luta e esforço. Os meus pais são divorciados, o meu pai não fala comigo, nem sequer quer saber se estou vivo. Mas isso já não me incomoda. A minha mãe apoia-me incondicionalmente apesar de ter imensos receios e hesitações quando fala comigo. Já estive sem casa. Já estive sem emprego. Não tenho curso completo e já passei fome. Mas não me considero azarado nem pessimista. Tenho orgulho em ser quem sou, sem exageros. Um orgulho suficiente para erguer o queixo e seguir em frente. Tenho sonhos e tenho desejos e, mesmo com todos os obstáculos e rejeições, não gosto de estar parado. Não tenho objectivos de ser rico ou famoso. Procuro simplesmente viver confortavelmente.


Finalmente, e provavelmente aquilo que deve estar a passar mais pela tua cabeça, talvez imaginas que eu tenho uma namorada. Ou que sou solteiro porque não tenho anel. Mas, pelo facto de não ter respondido ao teu sorriso, talvez penses mesmo que tenho uma namorada. 


Não namoro. Não é coisa que esteja nos meus planos imediatos. Quero namorar um dia, tenho esse desejo. Mas a minha companhia, nesta altura da minha vida, basta-me. Mas o que te vai abalar o dia não é o facto de eu ser solteiro mas o facto de eu não estar interessado em ti... ou em quaisquer membro do teu género para todos os efeitos. O que te vai abalar o dia é descobrires que o rapaz que estas a imaginar é simplesmente homossexual. Algo que, para ti, não pode ser porque não tenho tiques nem manias. Sou um rapaz. Banal. Como qualquer outro rapaz no planeta. Apenas com um twist.

 

(Um texto escrito em modo de exercício hoje no café. Já não escrevia algo há imenso tempo e quis desenferrujar as ideias, salvo seja)

publicado por Arms às 01:00
"Pergunto-me... Se eu estivesse a andar na rua e tu simplesmente, por acaso, passasses por mim, o quanto de mim verias? Quantas coisas de mim adivinharias? Farias histórias elaboradas na tua mente sobre para onde eu iria ou onde já estive? Especularias sobre se eu teria uma família com quem ter em casa? Uma carreira para seguir? Ou uma especialização por terminar? Ou eu seria meramente mais um daqueles incontáveis rostos que passam por ti e de quem não te recordas?" - Tu sabes que isto acontece. É parte da minha vida. Como tu sabes tão bem. Dessa vida de que eu sinto... a esperança do retorno. Como tu me ensinas.

Catarina a 9 de Outubro de 2009 às 09:30
ora aqui está um bonito exercício mental.
um dia deste envio-te uma foto minha, e tu fazes um texto à volta dela.
até seria interessante.
já agora permite-me a pergunta.
para quando a continuação do blog "pedaços de tempo"?
jobé a 9 de Outubro de 2009 às 18:03
O "Pedaços de Tempo" foi deixado de lado quando mudei de cidade e não pude continuar. Mais tarde, o co-autor Nobody's Bticho, mudou de cidade e não pode continuar. Entre um evento e o outro, passaram-se meses e, por circunstâncias da vida, as próprias motivações que nos fizeram avançar com o "Pedaços de Tempo" perderam-se... incluindo aquilo que o projecto significava para nós. No entanto, temos ideia de rebuscar o "Pedaços de Tempo", talvez sob um novo formato.

Entretanto posso dizer-te que tenho uma surpresa minha para ser estreada brevemente. O facto de não ter sido estreado há coisa de oito meses atrás vai ser claramente respondido logo na primeira postagem. Uma coisa te posso garantir: vai ser algo que nunca me viste fazer num blog antes.
Arms a 9 de Outubro de 2009 às 19:03
ficaremos atentos...
jobé a 10 de Outubro de 2009 às 02:15
Alô

venho informar que tive toda a honra em premiar o teu cantinho aqui na blogosfera com um prémio :P

Vai até aos meus lados para veres... http://eugayeomeumundo.blogspot.com/

JS
JS a 12 de Outubro de 2009 às 01:28
Simplesmente uau. Que texto tão (falta-me um adjectivo que se adeqúe [que formas tão estranhas que a nossa língua tem] a este exercício. Uma tentativa de te leres pelos olhos dos outros, de te avaliares por critérios diferentes aos teus, e muito bem construída.
Lover_boy a 4 de Novembro de 2009 às 18:55
mais sobre mim
Prémios
Image Hosted by ImageShack.us
By Eu... Gay... e o meu Mundo
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Felizes Juntos (2009).
quote: o traço bonito e elegante reflectido no ímpeto neutralizado dos dias
By Felizes Juntos (2008)
quote: bom gosto e traço bonito e elegante.


últ. comentários
Olha eu estou exatamente igual.. Não me conseguiri...
Olá Arms!Há quanto tempo! Não tenho acompanhado es...
aqui ha dias vi te a subir a rua do sol ao rato.j...
Bem fixe isto. Nos extremos há coisas que nem sabe...
se estiver interessado/a num novo template para o ...
Sim, concordo.Mas acima de tudo, mais intervenção ...
Silêncio a mais... nessas viagens todas não há int...
Bom regresso à blogosfera
Concordo com o que dizes, tambem sou solteiro e as...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
blogs SAPO
Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
19
21
22
23
25
27
28
30
31
pesquisar neste blog