23 de Setembro de 2007

Tudo começou com a criação de um sentimento. Uma paixão, atracção, aquecimento interior, palpitações e acelerações. Emoções. Depois o amor, a confiança, a intimidade, a segurança. E finalmente a entrega do meu ser, o êxtase máximo de partilha, quando a minha alma toca, com a ponta dos dedos, a tua alma. E dentro deste amor depositei as minhas esperanças, desejos e sonhos. Mas, durante todo este tempo, fui enganado, porque não sabia das tuas verdadeiras intenções. No teu coração, na negritude da tua alma, forjaste em segredo uma traição e foste sempre me iludindo. E nesse acto colocaste toda a tua crueldade, toda a tua malícia e vontade de me dominar. Um acto para me destruir. Pedaço a pedaço, fui cedendo às tuas mentiras. Mas houve sempre uma parte de mim que nunca dominaste. Num último acto desesperado marchei contra ti e enfrentei e lutei pela minha integridade. Estava próximo do fim, mas o teu poder de persuasão era forte. E foi nesse momento, quando quase me conseguiste dobrar, que eu peguei na minha espada. E a nossa relação, que me corrompia por dentro, terminou. E eu tinha esta oportunidade para terminar o capítulo contigo, mas o meu coração é facilmente vencido. E a tua persuasão quase que tem vontade própria. E traiste-me de novo, estilhaçando com a minha alma. E não devia de ter esquecido do que aconteceu mas esqueci. Atracção tornou-se paixão. paixão tornou-se amor. E durante ano e meio toda aquela traição acabou por ser esquecida. Até que, quando a oportunidade surgiu, conseguiste uma nova forma de me destruires. Abandonaste-me para ires ter com aquela criatura, e desapareceste da minha vida de vez, mas sem antes me detonares a bomba atómica. E a explosão durou toda uma eternidade. E durante meses envenenou a minha vida, corrompendo todo e qualquer sentimento e relação que eu pudesse ter. Mas, no fim, o silêncio tomou conta da terra e o meu coração sentiu o inverno nuclear... o vazio gatinhou de volta para o meu coração. A voz de um sentimento receado. Sombras. Murmúrios de uma solidão desconhecida e depois apercebi-me... a solidão veio para me atormentar. E tu apercebeste-te. Tinhas abandonado a criatura e voltaste. Mas algo aconteceu entretanto que não esperavas. Eu tinha crescido e ultrapassado tudo e fiquei imune às tuas palavras persuasivas. Eu já não sentia nada por ti. E chegará cedo a altura em que este novo inverno nuclear passará e moldará o meu futuro...

E tu não estarás lá.

(mais um dos meus mini-textos, que irão fazer parte de algo no futuro)
publicado por Arms às 21:38
tags:
Um grande mini-texto.
Graduated Fool a 23 de Setembro de 2007 às 23:00
:) grande mesmo
Valter Ferreira a 23 de Setembro de 2007 às 23:16
mais sobre mim
Prémios
Image Hosted by ImageShack.us
By Eu... Gay... e o meu Mundo
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Etnias

Image Hosted by ImageShack.us
By Felizes Juntos (2009).
quote: o traço bonito e elegante reflectido no ímpeto neutralizado dos dias
By Felizes Juntos (2008)
quote: bom gosto e traço bonito e elegante.


últ. comentários
Olha eu estou exatamente igual.. Não me conseguiri...
Olá Arms!Há quanto tempo! Não tenho acompanhado es...
aqui ha dias vi te a subir a rua do sol ao rato.j...
Bem fixe isto. Nos extremos há coisas que nem sabe...
se estiver interessado/a num novo template para o ...
Sim, concordo.Mas acima de tudo, mais intervenção ...
Silêncio a mais... nessas viagens todas não há int...
Bom regresso à blogosfera
Concordo com o que dizes, tambem sou solteiro e as...
Parabéns pelo seu blog, muito interessante. Estou ...
blogs SAPO
Setembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
13
26
28
pesquisar neste blog